21 junho, 2015

para sempre com amor

nasceste para mim antes de existires e nesse dia fui tão feliz que senti o coração a transbordar de emoção. até nasceres vivi para ti. queria ter a capacidade de fazer uma canção que dissesse da minha alegria mesmo quando o bom senso dos outros não conseguia entender a minha felicidade. nunca fui boa a dizer o que sinto (estou agora um pouco melhor mas implicou muitas perdas) mas quando nasceste para o mundo eu só desejava estar contigo pegar-te ao colo adormecer e acordar contigo. não o podia fazer mas mesmo assim aproveitei cada bocadinho do meu tempo para estar contigo. tenho centenas de fotos tuas do primeiro ano. e dos seguintes... e depois... depois a vida deu voltas e o mundo também as deu. às vezes estava de cabeça para baixo e logo a seguir mudava. e tu ali ou melhor aqui dentro do meu coração a correres-me nas veias filho do meu filho sangue do meu sangue. cresceste e foste amado por todos. pais avós bisavós tios e primos.. para alguns eras uma mente brilhante como são quase todas as crianças para os que lhes são mais próximos. para mim eras apenas um menino que eu amava muito e a quem sempre reconheci defeitos e qualidades. não gosto de deuses mesmo que se trate dos pequenos deuses fabricados por adultos.e amei-te assim. como eras. depois cresceste mais e mais e de repente fizeste da tua vida um filme de aventuras onde nada nem ninguém podia destruir-te. contavas estórias e tinhas piada. os últimos dias que passámos juntos foram para mim de muita apreensão mas também de muitas risadas. eras o super herói imbatível de um filme que só existia para ti. disse-te que te amava e que a minha casa estava sempre aberta para ti. hoje sei que o filme acabou mal. o super herói perdeu poderes e foi derrotado. onde quer que estejas meu grande amor serás certamente um super herói mais bem sucedido. perder.te não faz sentido e o pior de tudo é esta raiva que continuo a sentir. esta vontade de te dar os estalos que nunca te dei. e sei que não adiantava dar-tos mas se calhar agora a raiva era u pouco menor. tudo isto só para te dizer que te amo. para sempre.

25 novembro, 2014

quem não se sente...

a maioria (arrisco) dos portugueses admira xanana como se admira um herói. terrorista dirão alguns. mas a verdade é que o homem viveu anos como um bicho para defender uma ideia. a sua ideia, e isto não é para todos. fez e faz parte do meu imaginário de homens que lutam por aquilo em que acreditam. como o che. talvez em tamanho mais pequeno.  à medida do seu país, cada um lutou pelo bem mais essencial de todos nós: a liberdade.
um dia passou-lhe uma maleita pela cabecinha e ditou (ditou repito): os juízes estrangeiros têm 24 horas para saírem do país. os juízes meio atordoados, desataram a tentar conseguir voos para cumprirem a ordem de expulsão, antes que fossem privados do tal bem essencial. e piraram-se cumprindo o que xanana tinha ditado.
os juízes portugueses foram apoiados pelas autoridades portuguesas e pela maioria (arrisco) dos portugueses. xanana arranjou umas desculpas esfarrapadas mas eu fiquei convencida que está a proteger corrupto(a)s dentro do seu governo. fiquei (mais alguns portugueses atentos), à espera do pedido de desculpas do senhor de timor.
entretanto vejo com espanto que o nosso ministro da defesa foi visitar timor onde foi recebido com pompa e circunstância, mas... sem desculpas! xanana diz que não ofendeu portugal. afinal que importância tem expulsar juízes estrangeiros que foram ajudar timor? 
parece que desta vez vamos enviar professores... ou serão soldados? a ver vamos quanto tempo aguentam até lhes darem um pontapé no traseiro.
o governo português mais uma vez, mostra que não é filho de boa gente.

01 junho, 2014

não batam mais na D. Pulquéria


toda a gente fala da D. Pulquéria. eu não sabia até ver o Eixo do Mal quem é a D. Pulquéria. parece que é uma funcionária da loja do cidadão de Faro... ou será quem deu formação aos funcionários da dita loja? para o caso pouco interessa. vou contar aqui uma estória que se passou comigo há mais de 30 anos enquanto funcionária dos ex SMS de Ponta Delgada. começavam a usar-se as bermudas e eu comprei umas decentíssimas diga-se de passagem ficavam apenas dois dedos acima do joelho. eram uma espécie de saia calça de tão largas nas pernas. não podiam de modo nenhum ofender fosse quem fosse. mais. eu não estava a atender público. mas estava em Ponta Delgada há mais de 30 anos onde as alunas do colégio S. José de Cluny não podiam entrar de calças. pois o chefe de repartição deu-se ao trabalho de telefonar para Angra do Heroísmo para perguntar se eu podia ir trabalhar vestida daquela forma. do outro lado da linha perguntaram-lhe se eu estava de fato de banho ou de bikini. ele respondeu que não. estava com umas bermudas e umas sandálias que me deixavam os pés quase nus. então a funcionária pode trabalhar. não está a atentar ao pudor e nem sequer à decência. de resto nem há sequer nada escrito dizendo que ela não possa ir trabalhar de bikini... é claro que na mesma tarde uma colega minha que já passara dos 40 baixinha e gordinha mas muito engraçada e atrevida apareceu no local de trabalho com uns calções de ganga tão curtos que mostravam as bochechas do rabiosque. foi o que conseguiu o senhor chefe de repartição que deus o tenha em paz e descanso que até era boa pessoa. parece-me que quem atende público deve ter a noção de como se deve apresentar. de resto os funcionários da loja do cidadão têm um subsídio para se vestirem. assim como me parece que os homens não têm que estar de fato e gravata mas não devem apresentar-se de calções e chinelos de praia também me parece que as mulheres terão o bom senso de se apresentarem bem e isso não inclui calções como os da minha colega que diga-se de passagem só os usou por provocação. mas quem está todo eriçado com as normas (e note-se que normas são apenas indicativas pois não existe um regulamento para o modo de vestir dos funcionários públicos) para as mulheres devia eriçar-se também contra a quase obrigatoriedade do uso de fato e gravata para os homens em certos lugares da Administração Publica. alguém me explica porque é que os políticos de todo o mundo (enfim os ocidentais e excluem-se também as figuras como Chavez) parece andarem fardados de fato e gravata? porque é que tem que ser assim? e porque é que as mulheres aparecem quase sempre de saias? olha que seca! onde fica aqui o direito à diferença?

10 março, 2014

Ana Moura - Desfado

o melhor do twitter

"Beijo e brandura. Mão e Músculo. Seio e Sensualidade. És uma madrugada Onde o tango prolifera". (Ver caderno de Ara)

09 março, 2014

Exílio


Quando a pátria que temos não a temos
Perdida por silêncio e por renúncia 
Até a voz do mar se torna exílio 
E a luz que nos rodeia é como grades 


(Sophia de Mello Breyner Andresen)

o pagante


estava a freira aposentada do seu serviço a deus a fazer as suas compras na mercearia do bairro quando entrou um senhor de boa vontade e ainda não aposentado da sua vida dedicada a ajudar os pobres. a freira apesar de aposentada usa a sua farda que a identifica de imediato diante de quem quer que seja. já o senhor que se saiba nunca usou uma farda indicativa dos seus bons serviços aos mais desvalidos.

a freira tinha um saco na mão e dirigiu-se à caixa para pagar quando foi interpelada pelo homem bom
- o que leva nesse saco é para os pobres?
- não senhor é para mim. mas eu também sou pobre. o governo roubou-me a reforma.
- nesse caso veja lá se precisa de mais alguma coisa. eu pago.
- o senhor tem a certeza que tem dinheiro para pagar o que eu comprar?
- claro irmã.
então a freira vai buscar vários sacos e enche cada um deles o mais que pode. o homem bom pagou,

24 abril, 2013

dama portuguesa em limusine preta

ando há uns tempos para contar esta estória. quando li "dama polaca em limusine preta", por exemplo. hoje em "conversa on line" com um amigo de muitos anos, a propósito da foto da sua moto bmw. decidi pois que hoje conto a minha experiência com a limusine preta. eu tinha terminado uma relação afetiva de quase 20 anos e decidida a não desmoronar. tudo o que sobrara de mim eram pedacinhos impossíveis de colar. eu precisava de começar de novo. sozinha. mostrar a mim mesma que era capaz de fazer tudo o que tinha feito com aquele "ele", que não  merecia mais a minha confiança, por muito que ainda o amasse. liguei a uma amiga que tem uma agência de viagens e pedi-lhe que me arranjasse uma semana em maiorca. fui trabalhar de manhã (era um sábado) e à saída fui directamente para o aeroporto. o voo fazia escala em madrid. uma seca, para quem está ansiosa por uma semana de férias. o avião aterrou em maiorca por volta da uma da manhã. puxando o meu trolley, ia procurando por alguém que tivesse o meu nome num cartaz. mais de meia hora e nada. quando decidi deixar o "ponto de encontro", ouvi o meu nome pelos altifalantes. existira um desencontro, a agente pediu desculpas e disse-me que seguisse um homem, que me levaria ao meu hotel. o homem era muito pequenino (baixinho e magrinho), e nadava dentro da farda. eu olhava-o e tinha vontade de rir. era como se estivesse dentro de um filme cómico. o meu espanto cresceu, quando o pequenino me abriu a porta traseira de uma enorme limusine preta. às três da manhã, atravessei magaluf naquela limusine preta, com uma quantidade de gigolos sentados nos muros das ruas, certamente pensando, que ali, ia uma cliente em potencial.

17 fevereiro, 2013

o melhor do twitter

             
Caetano Veloso
             se desbotássemos, other revelar-nos-íamos sem carnaval.

Miguel Araújo - Os Maridos Das Outras

Não me peçam razões

Não me peçam razões, que não as tenho, 
Ou darei quantas queiram: bem sabemos 
Que razões são palavras, todas nascem 
Da mansa hipocrisia que aprendemos. 

Não me peçam razões por que se entenda 
A força de maré que me enche o peito, 
Este estar mal no mundo e nesta lei: 
Não fiz a lei e o mundo não aceito. 

Não me peçam razões, ou que as desculpe, 
Deste modo de amar e destruir: 
Quando a noite é de mais é que amanhece 
A cor de primavera que há-de vir. 

(José Saramago)

uma besta

o meu vizinho de cima é uma besta. não encontro outra palavra que melhor o descreva. uma besta. se não fosse realmente uma besta até se poderia dizer que é bonito... infelizmente é apenas uma besta. já lhe conheci várias mulheres e de todas elas só nunca ouvi a que primeiro viveu com ele aqui. as discussões entre ele e as suas mulheres são terríveis e acabam frequentemente com ameaças de morte. de parte a parte. de cada mulher que lhe conheci existem filhos. da actual tem uma menina que enquanto recém nascida não se ouvia mas que actualmente faz birras de fazer inveja aos pais. não  admira. limita-se a seguir o exemplo que tem em casa todos os dias. hoje pela hora do almoço ouvi mais uma das zaragatas do costume. às tantas ela gritou mais uma vez que se ia embora. não  sei se foi mas durante o resto do tempo só o ouvi a saltar à corda. outro dos costumes do meu vizinho que me atormenta. salta à corda durante uma eternidade. como uma besta. sem qualquer respeito pelos vizinhos. criaturas assim deviam viver isoladas para não incomodarem ninguém. ou em prédios só habitados por bestas. para não estragarem mais do que a própria casa.

15 fevereiro, 2013

o melhor do twitter


        Ondjaki
"Um Céu Aberto com ESTRELAS possíveis de serem apanhadas e guardadas / n'uma gaiola SEM paredes de fechar ninguem ..."

CAETANO, OBAMA E O MULATO

os escurinhos


estava na sala de espera de um hospital esperando ser chamada para a consulta. tirei o tablet da mochila e preparei-me para ler mais um conto on line da edição do dn. tinha escolhido um lugar que me pareceu mais sossegado mas logo percebi que tinha escolhido mal: ao meu lado um casal não muito jovem começou a conversar. alto o suficiente para me tirar a concentração necessária para continuar a ler e para me obrigar a ouvir a conversa. falavam de alguém que ao fim de muito tempo tinha conseguido alugar a casa. e aqui é que bateu o ponto. segundo o homem a casa tinha sido alugado a um casal de "escurinhos". esta terminologia que os supostos não racistas encontraram para falarem de pessoas de raça preta abala o meu sistema nervoso. não faltava a loura burra que se refere assim aos pretos e o sindicalista que falou assim do homem preto do fmi... tinha que ouvir o termo mais uma vez. pelos vistos é moda. deve ser como dizer "à séria". e a propósito se digo pretos e não negros é porque também digo brancos e não alvos.


(Foto do Jornal Público, on line)

14 fevereiro, 2013

o melhor do twitter

"pode ser que passe o nosso tempo, como qualquer Primavera; espera; me espera; eu vou voltar"

Sérgio Godinho e D.Kikas - Namoro

afinal foi só um sonho bom

o mar batia em fúria e lindo na minha varanda. a espuma das ondas desfazia-se nos vidros e estes mantinham-se completamente limpos. acordada pelo barulho do mar levantei-me e fui à janela. estava eu quieta a olhar o mar quando chegaram os meus pais. julgo que acabavam de fazer uma viagem. as malas assim o indiciavam. senti o braço do meu pai no meu ombro e pousei o meu nos ombros de minha mãe. ficámos a ver o mar da janela. nada dissemos. não havia nada que pudesse ser dito que acrescentasse o que quer que fosse ao que sentíamos. unidos a ver o mar bater na janela. acordei do sonho. mas por instantes voltei a ser muito feliz.

(foto da internet)

09 setembro, 2012

o futuro de um cretino

 basta observar o olhar deste homem para para perceber que não tem alma. sendo assim é em princípio completamente desprovido de sentimentos. julgo que tanto se lhe dá como se lhe deu o que a gentalha pensa dele. só precisa da gentalha nas eleições e por isso pelo sim pelo não resolve escrever na sua página do facebook uma espécie de "desculpa lá ó pá já sabes que a culpa não é minha  blá blá blá". finalmente o facebook serviu-me para alguma coisa que não  fosse mandar umas bocas e jogar às quintas e às cidades e às paciências (que paciência é precisa para aturar este tipo...). pois fui à página do dito cujo e consolei-me a escrever parte do que penso sobre ele. e digo parte porque para escrever tudo não me chegaria o resto da vida nem o vocabulário. por falar em vocabulário daqui a dez anos os jovens saídos das escolas e universidades terão um vocabulário tão reduzido quanto o número de professores e aulas que tiveram. e por falar em professores que tal aquela finta do "clic" no contrato para o aceitar? é desta maneira que se reduz ainda mais o número de professores. se for preciso  sentar alunos ao colo um dos outros em salas de 40 pois adiante que atrás vem gente. tal como aquele senhor que não queria ter nada a ver com o resto do mundo quanto maior a ignorância melhor. só que isto já não resulta pá. estás enganado: a malta não é estúpida. só se fizeres como o governo chinês e retirares o acesso da malta à internet. deves pensar muito nisso. afinal pouco falta para trabalharmos ao preço dos chineses... eu tinha pensado que era bom ires fazer companhia à angela e fazeres com ela uma união europeia com três países: alemanha alemanha e alemanha. mas se calhar era bom passares primeiro pela china para fazeres um estágio não remunerado como os licenciados que não saem de portugal... e pelo andar da carruagem vão fazer o mesmo pelo resto da vida. vai dar banhadas para bem longe em vez de mandares quem tem cabecinha emigrar. é que estou mesmo farta de ti e do teu amigo miguel. julgam-se tão inteligentes e afinal podiam fazer um filme barato que se podia chamar "diálogo de dois cretinos". aproveita a ideia que mais ninguém te dá emprego. vai ser "artista". sem ofensa para os artistas deste país.



08 setembro, 2012

cada um é para o que nasce



enquanto aguardo pelo "5 para a meia noite" vejo por alto o fim da tourada na rtp. os meus pais gostavam de touradas. eu gosto de bichos. confesso que gosto de ver os forcados a pegar de caras. também gosto de largadas e de esperas. gosto de brincar com os touros e gosto de montar a cavalo. ou gostava... não sei se voltarei a poder fazer alguma destas coisas. esta é a introdução para um tema que está no ar. devem ou não ser proibidas as touradas em portugal? os argumentos que se esgrimem quer de um lado quer do outro não me convencem por inteiro. nestas coisas lembro-me sempre dos versos de Sofia de Mello Bryner "As pessoas sensíveis não são capazes/De matar galinhas/Porém são capazes/De comer galinhas". não sabemos todos que o gado sofre quando vai para o matadouro? não sabemos em que condições são criadas as aves que comemos nos aviários? ou o que não vemos não nos incomoda? pelo outro lado é claro que não me parece argumento de peso o da "tradição". todos sabemos que a tradição já não é o que era. por isso não sou a favor nem contra. cada um é para o que nasce. tenhamos algum senso comum. perde a razão quem apedreja um cavalo para manifestar a sua opinião contra as touradas como perde a razão o cavaleiro que investe contra os manifestantes. tirando os vegetarianos que podem argumentar que não comem carne nem peixe por respeito aos animais (oxalá se lembrem também que não podem usar artigos em pele) tudo o resto me parece um pouco hipócrita. eu gosto de animais. tenho  dois gatos peixes e um dragão. só não tenho aves porque dão muito trabalho. dou muitas vezes comigo a pensar que não devia ter um dragão... mesmo tendo o cuidado de lhe dar liberdade uns minutos por dia. por outro lado ele já nasceu em cativeiro. não posso mudar o mundo. tento fazer o melhor que posso a minha parte. mas como carne e peixe.